Museu do Pontal - Rio de Janeiro - RJ

Ônibus para Terminal da PUC 17.2km de Museu do Pontal - Rio de Janeiro - RJ

Ônibus para Estação de Metrô São Francisco Xavier 19.4km de Museu do Pontal - Rio de Janeiro - RJ

Ônibus para Ponto Ulysses Guimarães 21.7km de Museu do Pontal - Rio de Janeiro - RJ

Ônibus para Terminal Rodoviário Novo Rio 22.1km de Museu do Pontal - Rio de Janeiro - RJ

Ônibus para Av. das Nações Unidas, 200 22.6km de Museu do Pontal - Rio de Janeiro - RJ

Ônibus para Estacionamento Venezuela 24.2km de Museu do Pontal - Rio de Janeiro - RJ

Pontos de embarque proximos a Museu do Pontal

Via Parque Shopping - Avenida Ayrton Senna, 3000 - Barra da Tijuca (3.7km)
Terminal Nutta James - Av. Nuta James, 115-229 - Barra da Tijuca (8.7km)
Terminal da PUC - Terminal da PUC, 1746 - Gávea (17.2km)
Estação de Metrô São Francisco Xavier - Av. Heitor Beltrão, s/n - Tijuca (19.4km)
Ponto Estação Afonso Pena - Rua Doutor Satamini, 157 - Tijuca (20.3km)
Av. Osvaldo Aranha - Av. Osvaldo Aranha, 41038 - Praca da Bandeira (20.4km)
Terminal Cosme Velho - Rua Cosme Velho, 698 - Cosme Velho (21.2km)
Ponto Ulysses Guimarães - Rua Ulysses Guimarães, 16 - Cidade Nova (21.7km)

Sobre Museu do Pontal

O Museu Casa do Pontal é o mais importante museu de arte popular do Brasil e está localizado no Recreio dos Bandeirantes, Rio de Janeiro e é "uma referência turística e antropológica não só no Brasil, mas em todo o mundo".

É composto pela produção realizada por cerca de 200 artistas desde o início do século 20, envolvendo 8.000 peças, entre esculturas, bonecos, entalhes, modelagens e mecanismos articulados, produzidas com o uso de barro, madeira, tecido, areia, ferro, alumínio, miolo de pão, palha e arame. O acervo foi reunido por Jacques van de Beuque, que também construiu a sede do museu, e continua sendo atualizado com parcerias e colaborações diversas. Atualmente, é administrado pela antropóloga e nora do criador, Ângela Mascelani.

Entre os exemplares estão bonecos de Mestre Vitalino, Zé Cabloco e Manuel Eudócio que retratam os costumes de festas do interior do Brasil. Os tipos brasileiros como vaqueiros, cangaceiros, integrantes de escolas de samba, noivos em trajes de casamento também estão representados. Peças de Noemisa, Antonio Porteiro, Adailton Lopes e Mestre Didi também compõem o acervo.

Em 1996, a instituição recebeu o Prêmio Rodrigo de Melo Franco de Andrade, concedido pelo IPHAN. Segundo dados de 2010, 40 mil pessoas, sendo estudantes a maioria, o visitam por ano, o equivalente a cerca de 111 por dia.